Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Toda a discussão relativa a Pontos de Carregamento também conhecidos por EVSE (Electric Vehicle Supply Equipment) vem para aqui.
Avatar do Utilizador
rimsilva
Proprietário i3
Mensagens: 2368
Registado: 31 mar 2016, 14:40
Data de fabrico: 15 mar 2016
Capacidade bateria: 60 Ah
Localização: Vila Nova de Gaia

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por rimsilva » 19 mai 2022, 09:38

mjr Escreveu:
19 mai 2022, 09:03
Giugiaro Escreveu:
18 mai 2022, 15:49
rimsilva Escreveu:
18 mai 2022, 12:57

Atenção que aqui que eu saiba ninguém trabalha na mobi.e, nem na ERSE, etc... A informação que temos é a que é pública e segundo essa informação qualquer atividade de carregamentos com caracter comercial deve estar ligado à rede e CEME.
Percebo o aviso. Partindo do princípio de estarmos limitados à informação disponível ao público, o atual modelo também é punitivo na entrada de novas soluções de carregamento em Portugal.

Podemos partir do princípio que qualquer serviço de auto-expresso que venha a ser relançado, quer para veículos ligeiros, quer para veículos pesados, ou terá de oferecer o carregamento elétrico sem custos, ou não será instalado caso não seja possível integrar a oferta no MME atual.

Ia ser giro ver uma boa dezena de postos de carregamento a andar pelo mapa a 160km/h.
A lei obriga a que postos em locais de acesso público estejam ligados à rede da ME. Não sendo jurista, tenho alguma dificuldade em compreender que um vagão de um comboio se enquadre nesse conceito, nem sequer propriamente existe uma ligação à RESP.
O estar ligado "à rede" é do mal o menos (ou se o ponto aparece em movimentos ou não num qualquer mapa), o grande "problema" é "estar ligado, segundo certas e determinadas regras", ou seja, ter de excecer uma atividade da forma que esta lei foi criada (CEME+OPC), contariando toda a logica de negócio no mundo inteiro e das próprias directivas europeias.

Os senhores da mobi.e além dos locais também entendem que a distinção é feita em função da atividade comercial ou não. Se se esqueceram de que além dos locais publicos, de acesso publico ou privados ainda há os em "movimento" isso certamente que não altera o espirito da sua interpretação "comercial".

Como já disse algumas vezes, não é por um posto estar "Num vão de escada", com uma cancela à frente ou num parque de acesso publico transformado em local de aceesso privado, que a atividade será diferente da atividade num via publica qualquer.

As regras têm de ser iguais para todos, sem subterfúgios, nem em função dos interesses de pessoas ou associações, como foi no passado a tenativa de jstificar a operação da rede Tesla e Continente e agora já passaram a ser ilegais, quando o grande problema está é na origem, na lei da ME em Portugal.

Avatar do Utilizador
mjr
Administrador do site
Mensagens: 9760
Registado: 04 jan 2011, 15:55
Data de fabrico: 30 mai 2018
Capacidade bateria: 114.8 Ah 12 barras
Localização: Porto

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por mjr » 19 mai 2022, 11:07

Desculpa mas é completamente diferente um local de acesso privado e um de acesso público.

Um local de acesso público pressupõe que posso livremente lá chegar e carregar como se estivesse noutro lado qualquer, o mesmo não acontece num local de acesso privado onde é necessário autorização/contrato/etc para entrar nesse local. A única questão que não está enquadrada no modelo ao nível do acesso privado é a questão da venda de energia em acesso privado, que não está regulamentada (penso até que em termos genéricos seja proibida, como tal, e daí alguns players cobrarem por tempo, que na verdade até o desejam que assim seja para racionalizar o uso do posto). Isso sim, seria importante clarificar e regulamentar.
Nissan Leaf 40 Tekna preto, entregue em 30 de maio de 2018. 40000km em 2022-03-06
Nissan LEAF mk1 Preto, entregue em 7 de julho de 2011. 171000 km em 2022-03-06.
Tesla Model 3 LR preto entregue em 2019-03-06. 73000km em 2022-03-06.
Sócio da associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, UVE: http://www.uve.pt

Avatar do Utilizador
rimsilva
Proprietário i3
Mensagens: 2368
Registado: 31 mar 2016, 14:40
Data de fabrico: 15 mar 2016
Capacidade bateria: 60 Ah
Localização: Vila Nova de Gaia

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por rimsilva » 19 mai 2022, 16:16

Eu não discordo que um local de acesso privado e outro de acesso público, sejam diferentes (porque são).

Aceito que possam usar essa critério de localização para tudo e mais alguma coisa, não aceito é que possa ser usado para causar concorrência desleal e criar várias interpretações daquilo que é a atividade de carregamento de um VE, criando dessa forma "sub-atividade" fictícias.

O que eu disse e reafirmo é que a "venda de energia" não deve ser encarada de forma diferente num e noutro caso, porque na realidade o que está em causa é a mesma atividade, a de carregamento de veiculos eléctricos.

Só em Portugal é que se discute e fala tanto em energia, em mais lado nenhum se vê isso, porque será? Seremos mais evoluídos que os outros países da europa? Não me parece.

Os problemas com a ME no resto da Europa nada têm a haver com a venda de energia, nem com a necessidade proteccionista da mesma, por isso a decisão que foi tomada em Portugal de bipolarizar uma atividade, apenas foi tomadas por motivos externos à ME.

Pessoalmente acho que o espirito da lei é claro quanto ao caracter comercial e a mobi.e traduz isso de forma clara no quadro em anexo.

Acho é que depois disso faz uma interpretação abusiva da integração na rede de mobilidade eléctrica, pessoalmente acho que não faz qualquer sentido obrigar o dono de postos num local privado a estar ligado a uma rede publica, porque o proprietário pode não ter interesse em dar o acesso indiscriminada a pessoas e/ou outros CEMEs.

Imagem

FullElectric
Mensagens: 1148
Registado: 29 jan 2014, 19:39
Data de fabrico: 01 abr 2011
Capacidade bateria: 49,5 Ah

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por FullElectric » 20 mai 2022, 00:32

mjr Escreveu:
19 mai 2022, 11:07
Desculpa mas é completamente diferente um local de acesso privado e um de acesso público.

Um local de acesso público pressupõe que posso livremente lá chegar e carregar como se estivesse noutro lado qualquer, o mesmo não acontece num local de acesso privado onde é necessário autorização/contrato/etc para entrar nesse local. A única questão que não está enquadrada no modelo ao nível do acesso privado é a questão da venda de energia em acesso privado, que não está regulamentada (penso até que em termos genéricos seja proibida, como tal, e daí alguns players cobrarem por tempo, que na verdade até o desejam que assim seja para racionalizar o uso do posto). Isso sim, seria importante clarificar e regulamentar.
Carregar num vagão da CP com carregadores implica comprares um bilhete para colocar o carro no vagão.
Carregar num parque de acesso público da Emel ou outro qq pago implica comprares bilhete para colocar o carro no parque.
Onde está a diferença?

Avatar do Utilizador
BrunoAlves
Proprietário Ioniq EV
Mensagens: 6109
Registado: 30 abr 2016, 12:39
Data de fabrico: 16 jun 2014
Capacidade bateria: 57Ah
Localização: Mealhada

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por BrunoAlves » 20 mai 2022, 16:21

Ainda em relação a este vídeo, alguém podia p.f. fazer chegar ao Marcus este relato? Alguém sabe se há uma localidade chamada "Loures" em Espanha? :mrgreen:
https://www.youtube.com/watch?v=LaZ7msgMMss
Tenho aqui guardados mais meia dúzia, só para o caso.
IMG-20220519-WA0020.jpg
IMG-20220519-WA0020.jpg (33.64 KiB) Visto 403 vezes
Se forem conduzir, não bebam. Se forem beber, chamem-me!!! :D

Avatar do Utilizador
mjr
Administrador do site
Mensagens: 9760
Registado: 04 jan 2011, 15:55
Data de fabrico: 30 mai 2018
Capacidade bateria: 114.8 Ah 12 barras
Localização: Porto

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por mjr » 20 mai 2022, 18:21

rimsilva Escreveu:
19 mai 2022, 16:16
Eu não discordo que um local de acesso privado e outro de acesso público, sejam diferentes (porque são).

Aceito que possam usar essa critério de localização para tudo e mais alguma coisa, não aceito é que possa ser usado para causar concorrência desleal e criar várias interpretações daquilo que é a atividade de carregamento de um VE, criando dessa forma "sub-atividade" fictícias.

O que eu disse e reafirmo é que a "venda de energia" não deve ser encarada de forma diferente num e noutro caso, porque na realidade o que está em causa é a mesma atividade, a de carregamento de veiculos eléctricos.

Só em Portugal é que se discute e fala tanto em energia, em mais lado nenhum se vê isso, porque será? Seremos mais evoluídos que os outros países da europa? Não me parece.

Os problemas com a ME no resto da Europa nada têm a haver com a venda de energia, nem com a necessidade proteccionista da mesma, por isso a decisão que foi tomada em Portugal de bipolarizar uma atividade, apenas foi tomadas por motivos externos à ME.

Pessoalmente acho que o espirito da lei é claro quanto ao caracter comercial e a mobi.e traduz isso de forma clara no quadro em anexo.

Acho é que depois disso faz uma interpretação abusiva da integração na rede de mobilidade eléctrica, pessoalmente acho que não faz qualquer sentido obrigar o dono de postos num local privado a estar ligado a uma rede publica, porque o proprietário pode não ter interesse em dar o acesso indiscriminada a pessoas e/ou outros CEMEs.

Imagem
Claro que a Mobi.e quer que todos se liguem a eles.

Mas na verdade falta clarificar o espaço privado, regulamentando a venda de energia. Repara que a lei obriga a que os OPC se liguem à EGME, mas não o faz no caso da instalação do posto ser do próprio detentor. Eu entendo que em espaço privado os próprios OPCs não deveriam ter essa obrigatoriedade, ou então criar outra figura sem essa obrigatoriedade.

O DPC não tem caráter comercial a partir do momento que se regista como tal e se liga à rede da ME. Caso não se ligue, não estou ciente de nenhuma lei ou regulamento da ME que impeça a venda do serviço de carga (o tal número 2 do artigo 8 do RME aplica-se ao conceito de DPC ligado à rede da ME, o que decorre do número 1 do referido artigo).
Nissan Leaf 40 Tekna preto, entregue em 30 de maio de 2018. 40000km em 2022-03-06
Nissan LEAF mk1 Preto, entregue em 7 de julho de 2011. 171000 km em 2022-03-06.
Tesla Model 3 LR preto entregue em 2019-03-06. 73000km em 2022-03-06.
Sócio da associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, UVE: http://www.uve.pt

Avatar do Utilizador
mjr
Administrador do site
Mensagens: 9760
Registado: 04 jan 2011, 15:55
Data de fabrico: 30 mai 2018
Capacidade bateria: 114.8 Ah 12 barras
Localização: Porto

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por mjr » 20 mai 2022, 18:35

FullElectric Escreveu:
20 mai 2022, 00:32
mjr Escreveu:
19 mai 2022, 11:07
Desculpa mas é completamente diferente um local de acesso privado e um de acesso público.

Um local de acesso público pressupõe que posso livremente lá chegar e carregar como se estivesse noutro lado qualquer, o mesmo não acontece num local de acesso privado onde é necessário autorização/contrato/etc para entrar nesse local. A única questão que não está enquadrada no modelo ao nível do acesso privado é a questão da venda de energia em acesso privado, que não está regulamentada (penso até que em termos genéricos seja proibida, como tal, e daí alguns players cobrarem por tempo, que na verdade até o desejam que assim seja para racionalizar o uso do posto). Isso sim, seria importante clarificar e regulamentar.
Carregar num vagão da CP com carregadores implica comprares um bilhete para colocar o carro no vagão.
Carregar num parque de acesso público da Emel ou outro qq pago implica comprares bilhete para colocar o carro no parque.
Onde está a diferença?
No âmbito da ME, e isto aplica-se ao caso do Continente, tem sido entendimento da DGEG que espaço de acesso público aquele que está registado como tal na Câmara Municipal correspondente, independentemente se tem cancelas, sinalização ou qualquer outra coisa a "impedir" o acesso ao público. Um vagão de um comboio é tão fora da caixa que nem sequer percebo a insistência...
Nissan Leaf 40 Tekna preto, entregue em 30 de maio de 2018. 40000km em 2022-03-06
Nissan LEAF mk1 Preto, entregue em 7 de julho de 2011. 171000 km em 2022-03-06.
Tesla Model 3 LR preto entregue em 2019-03-06. 73000km em 2022-03-06.
Sócio da associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, UVE: http://www.uve.pt

Avatar do Utilizador
Nonnus
Mensagens: 2469
Registado: 10 set 2017, 04:43
Data de fabrico: 01 jun 2017
Capacidade bateria: 83,14 Ah 12 Barras

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por Nonnus » 20 mai 2022, 22:23

mjr Escreveu:
20 mai 2022, 18:35
Um vagão de um comboio é tão fora da caixa que nem sequer percebo a insistência...
Sem querer encontrou-se um vazio legal. A solução para o problema da venda de energia passa por se instalar carregadores em vagões de comboio, ferrys, aviões etc .💡
Proprietário de Nissan Leaf 30KWh desde: 25 de Setembro de 2017
- 9 meses depois 15/06/2018 30000km
- 12 meses depois 25/09/2018 40000km
- 24 meses depois 25/09/2019 90000km

Avatar do Utilizador
BrunoAlves
Proprietário Ioniq EV
Mensagens: 6109
Registado: 30 abr 2016, 12:39
Data de fabrico: 16 jun 2014
Capacidade bateria: 57Ah
Localização: Mealhada

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por BrunoAlves » 21 mai 2022, 00:19

Esse é que é o catano do ponto. Esse mesmo!
Ah e tal vamos arranjar um modelo em que se imponha e limite a operação de todos quantos operem em "espaços acessíveis ao público".
Não interessa se é via pública ou o terreno do Zé Manel, está registado como acesso público e por isso está debaixo de um capote gigante que o obriga a cumprir milhentas cenas.

Mas e o terreno do Tó Silva? Esse está registado como acesso privativo! Mas têm ambos serventia para o IC2!
Ah nesse não, já pode ter postos de carregamento em cima de paletes e vender carregamento como "unidades de coisas imaginárias" que isso já está tudo bem.
Mas sem regras de OPC e sem cumprir as obrigações do sector eléctrico? E sem comunicar os consumos da mobilidade eléctrica que vão ser o futuro deste mundo e do planeta do Flash Gordon? Sim sim que é acesso privado.

E depois há quem defenda isto. Ultrapassa-me :doh:
Se forem conduzir, não bebam. Se forem beber, chamem-me!!! :D

RJSC
Proprietário Leaf
Mensagens: 3451
Registado: 13 jan 2011, 20:27
Data de fabrico: 15 ago 2012
Capacidade bateria: 16kWh, 9 Barras
Localização: Aveiro

Re: Modelo da Mobilidade Elétrica em Portugal

Mensagem por RJSC » 21 mai 2022, 11:51

Isto está a fazer-me lembrar de uma história que o meu bis-avô me contava sobre os isqueiros durante o Estado Novo:
Portugal teve entre 1937 e 1970 uma das mais caricatas e ridículas leis de que há memória; falo-vos dessa nefasta regulação que dava pelo nome de - Licença Anual Para Uso de Acendedores e Isqueiros e que custava a módica quantia de 50$00 (cinquenta escudos) já no final desta aberrante prerrogativa.
Consta que a tal licença existia para proteger a industria fosforeira portuguesa, sendo esta a destinatária de 70% do lucro das multas, já que os restantes 30% revertiam a favor do autuante – vulgo inspector de isqueiro – e no caso de haver delator que conduzisse á autuação também este seria agraciado com metade da comissão do tal inspector.
As multas ascendiam a 250 escudos e caso o prevaricador fosse, funcionário do estado ou militar a coima seria aplicada a dobrar, ou seja: 500 escudos, coisa que nos anos sessenta dava para comprar muita coisa, como por exemplo: cem maços de tabaco!
Esta licença só tinha validade se o fiscal apanhasse o utilizador num espaço público e este não possuísse licença, caso o utilizador estivesse “debaixo de telha” (conforme penso que lavrava o teor da anedótica lei que hoje aqui vos trago) o proprietário do isqueiro já o podia utilizar à vontade e sem receios.
Consta que certos estudantes ou adversários do regime não possuíam a tal licença, mas carregavam num bolso o isqueiro ilicenciado e no outro uma telha, objecto que utilizavam para debaixo da mesma acenderem os seus cigarritos, coisa que irritava os tais PIDES de segunda – conforme também eram apelidados – que não tinham argumentos autuantes para tão ilustres prevaricadores, muitos deles estudantes de direito.
http://pulanito.blogspot.com/2010/01/li ... s-vai.html
https://jornalproenca.pt/licenca-para-acender/


Será que os advogados da Sonae já desistiram de procurar o equivalente à telha?

Responder

Voltar para “Carregamento”